Unwritten

Escrever, escrever e escrever....
Deixar as palavras formarem frases, parágrafos e textos... Contar notícias, tragédias, cartas de amor, cartas de saudades, de alegria, mensagens de reflexão.Buscar em coisas escritas aquilo que não se encontra ao escutar.Achar no meio de um livro antigo uma rosa seca e, ao ver, recordar o passado.
Desligar-se do mundo ao ler um livro, entrar na história e ser o narrador observador.E por alguns instantes esquecer de tudo.

Eu escrevo por hábito, por gosto, porque quando escrevo esqueço do mundo ao meu redor, as palavras chegam na minha mente e eu simplesmente as escrevo.Podem não ter significado pra você, mas para mim, sempre tem.

Nossas vidas são como livros, a cada dia uma nova página é escrita.

02 julho, 2008

Postagem do dia 28/06

Será que esse é o fim ou simplesmente o recomeço de tudo?

Pode mudar a cara, o ambiente, o clima e a data, porém tudo permanecerá inalterado enquanto não for esclarecido.

A ajuda do tempo é fundamental ao mesmo tempo em que a angústia e ansiedade consomem cada minuto daquele momento interminável.

Sempre depois da tormenta vem o sol, mas minha pergunta é quando?

Quando poderei sentir paz e dormir tranquilamente sem que pensamentos desesperados me assombrem? Quando poderei sentir-me segura e feliz por completo?

Meu maior sofrimento não é o fato de estar atravessando uma fase crítica em família, mas sim por ver que algumas pessoas à minha volta não me dão o devido valor, se acham no direito de me julgar e me crucificar perante outras pessoas para que essas me vejam com outros olhos. O que dói mais é ver que essas pessoas que escutaram coisas por bocas alheias, tiraram conclusões precipitadas e simplesmente se calaram não se dando ao trabalho de averiguar se era verdade. Em outras palavras, demonstraram que não confiam em mim, pessoas estas, que eu achava que existia uma confiança mútua em nosso relacionamento.

Vi também que o ser humano é capaz de tudo para conseguir o que quer, não mede as conseqüências. Acha-se no direito de mandar na vida alheia e jogar com os sentimentos e as atitudes, como se a vida fosse um jogo em que o importa é ganhar a qualquer preço.

Mais frustrante ainda é ter que ver, ouvir e agüentar tudo calada. Talvez por medo ou por saber que não vai adiantar e pode até piorar a situação. Cada vez que eu achava que tava fazendo a coisa certa, contando fatos para alguém, esse simplesmente me apunhalava pelas costas e eu não podia dizer absolutamente nada nessa história tão simples que virou tão complicada e dolorosa para todos.

Ser injustiçada é tão ruim que nesse momento não sei se sou capaz de voltar a confiar nas pessoas que me prejudicaram ou aquelas me julgaram mal.

Volto a repetir que preciso de ajuda também, de apoio, de um ombro amigo. Pois não sei por quanto tempo agüentarei essa situação sozinha. Não por não me achar capaz, mas pela necessidade de me sentir protegida.

0 comentários: