Unwritten

Escrever, escrever e escrever....
Deixar as palavras formarem frases, parágrafos e textos... Contar notícias, tragédias, cartas de amor, cartas de saudades, de alegria, mensagens de reflexão.Buscar em coisas escritas aquilo que não se encontra ao escutar.Achar no meio de um livro antigo uma rosa seca e, ao ver, recordar o passado.
Desligar-se do mundo ao ler um livro, entrar na história e ser o narrador observador.E por alguns instantes esquecer de tudo.

Eu escrevo por hábito, por gosto, porque quando escrevo esqueço do mundo ao meu redor, as palavras chegam na minha mente e eu simplesmente as escrevo.Podem não ter significado pra você, mas para mim, sempre tem.

Nossas vidas são como livros, a cada dia uma nova página é escrita.

26 maio, 2011

Neurose

Freud entendia a neurose como o resultado de um conflito entre o Ego e o Id, ou seja, entre aquilo que o indivíduo é (ou foi) de fato, com aquilo que ele desejaria prazerosamente ser (ou ter sido), ao passo que a psicose seria o desfecho análogo de um distúrbio entre o Ego e o Mundo.

Conclusão: sou uma pessoa neurótica!

2 comentários:

Anônimo disse...

Obrigado pela visita no GAZ Nathalia.
Volte sempre.
Abraço.

Igo Araujo disse...

Acho que pouquíssimas pessoas conseguem ser aquilo que gostariam de ser. Nem por isso elas são neuróticas...

Se bem que, olhando com mais cuidado agora... talvez elas sejam mesmo...


saudades das duas palavras...


bjaum