Unwritten

Escrever, escrever e escrever....
Deixar as palavras formarem frases, parágrafos e textos... Contar notícias, tragédias, cartas de amor, cartas de saudades, de alegria, mensagens de reflexão.Buscar em coisas escritas aquilo que não se encontra ao escutar.Achar no meio de um livro antigo uma rosa seca e, ao ver, recordar o passado.
Desligar-se do mundo ao ler um livro, entrar na história e ser o narrador observador.E por alguns instantes esquecer de tudo.

Eu escrevo por hábito, por gosto, porque quando escrevo esqueço do mundo ao meu redor, as palavras chegam na minha mente e eu simplesmente as escrevo.Podem não ter significado pra você, mas para mim, sempre tem.

Nossas vidas são como livros, a cada dia uma nova página é escrita.

02 janeiro, 2009

Postagem do dia 26/12/08

Não me recordo exatamente o dia em que eu escrevi uma postagem perto do nata há um ano, lembro que eu estava na casa dos meus pais em São Paulo e que tinha acabado a luz por causa de um temporal.

Recordo-me que ao escrever eu tentava arrancar a angústia de dentro de mim, os caminhos pelos quais a vida nos leva as vezes acabam voltando para o mesmo lugar e fazendo com que eu sinta os mesmos sentimentos e a mesma depressão de fim de ano!

Quando achei que estava tudo bem e até perfeito demais pra ser verdade eu me deparei com uma situação a qual nunca tinha vivido e foi bem dolorosa, mas teve lá o seu lado bom e, eu agradeço por não ter se prolongado por muito tempo porque assim foi mais fácil de me recuperar.

Tenho o costume de fazer uma autoretrospectiva da minha vida durante o ano que se passou e, analizar os anos anteriores e poder notar como tudo muda nessa vida e, dessa vez pra melhor.

Em alguns momentos eu me pego pensando nas situações que vivi e que não quero viver de novo, prefiro simplesmente fingir que nada aconteceu para não relembrar, pois recordar é viver novamente a sensação.

Estou aprendendo a viver um dia de cada vez e curtir o momento, mas às vezes minha impulsividade fala mais alto e eu acabo colocando os pés pelas mãos num ato em que os risco das conseqüências são altos.

Nada que não possa ser corrigido nessa vidinha mundana que num instante de revolta minha vontade é ogar tudo pro ar e apenas estar num lugar em que não tenho que ter preocupações a não ser acordar e dormir. Um mundo utópico!

Tanto me questionei sobre o estava acontecendo, o porquê daquilo e quando iria mudar. Demorou mas chegou, o sol finalmente brilhou para mim e hoje eu tenho um emprego fixo e uma porta aberta para o meu futuro profissional. Sou muito grata por isso e cada dia que passa eu aprendo mais.

Não posso deixar de dizer que sofri uma desilusão, ou melhor, uma frustração amorosa, mas que hoje eu digo com todas as letras que foi bom porque foi através dela que eu conehci uma outra pessoa e está sendo muito bom poder compartilhar minha vida com ela e eu me sinto muito bem ao seu lado. Somos de mundos (= criações) um tanto quanto diferentes, mas nada que não possa ser resolvido, basta querer. Acho que saber compreender é um dos pontos chaves de uma relação além da confiança.

Mas enfim, não dizem que os opostos se atraem??

Mil coisas se passaram e ainda passam na minha cabeça, mas eu ainda não me sinto bem o suficiente para compartilhar aqui essas emoções.

2 comentários:

Igo Araujo disse...

FELIZ DOIS MIL E NOVE :DDDDDDDDDDDDDDDDDDDD

saudades de passar aqui :D
que as coisas continuem dando certo pra vc esse ano

bjss!

✰тєcα✰ disse...

Ah que nunc teve uma desilução na vida... o bom disso tudo é que elas sempre passam...

Beijinhos flor!