Unwritten

Escrever, escrever e escrever....
Deixar as palavras formarem frases, parágrafos e textos... Contar notícias, tragédias, cartas de amor, cartas de saudades, de alegria, mensagens de reflexão.Buscar em coisas escritas aquilo que não se encontra ao escutar.Achar no meio de um livro antigo uma rosa seca e, ao ver, recordar o passado.
Desligar-se do mundo ao ler um livro, entrar na história e ser o narrador observador.E por alguns instantes esquecer de tudo.

Eu escrevo por hábito, por gosto, porque quando escrevo esqueço do mundo ao meu redor, as palavras chegam na minha mente e eu simplesmente as escrevo.Podem não ter significado pra você, mas para mim, sempre tem.

Nossas vidas são como livros, a cada dia uma nova página é escrita.

26 maio, 2008

Revoltas: até quando?

Chegaaaaaaaaaaaa!
----------------------------------------------
Como o homem é um ser desprezível! Muitos animais tem extintos mais nobres e dignos que nós. A complexidade do nosso mundo é resultado das nossos próprios atos no passado. Se não tivéssemos essa maldita mania de querer facilitar tudo e, principalmente, achar que é dono da verdade e de que tem direito de mandar e desmandar na vida das pessoas, passando por cima de tudo e de todos, não teríamos tantas tragédias anunciadas diariamente nos noticiários. Seria tão fácil se as coisas fossem do jeito que nós quiséssemos, se não existisse mentira, orgulho, ambição, falsidade e traição. Se as pessoas próximas a nós nunca nos magoássemos.
Mas daí eu pergunto: teria graça?
-----------------------------------------------------
Não, pois o sofrimento faz parte do processo de amadurecimento de todo ser humano. Se você não sabe lidar com problemas, então você não vive nesse mundo, não pertence a essa grande massa que implora por soluções sem saber as respostas, pois sempre achou que nada iria acontecer e que nada poderia ser tão digno ao ponto de o homem não saber o que fazer. Mas hoje a sociedade mundial está de frente com os dois maiores inimigos que poderia ter: a mãe natureza e o próprio homem.
--------------------------------------------
A revolta da natureza vem surgindo e digo só tende a piorar cada vez mais se não agirmos e, quanto ao homem, esse sim não tem mais jeito, está jogado as traças da impunidade e ao descaso da política. Pois um país sem regras rígidas e educação é considerado um país pobre, emergente ou subdesenvolvido. Seja lá o nome que for, ele é assim devido a falta de recursos, seja na área da saúde, da educação, do investimento de capital etc.
--------------------------------------------
Enfim, o culpado são sempre os mesmos: os políticos, no mundo atual tudo é movido a política, seja ela dentro de um plenado ou dos líderes de galgues, comunidades e seitas. Tudo é negociável, mas até que ponto? Ao ponto de matar milhões de pessoas por um "capricho"?
------------------------------------------
Chegaaaaaaaaaaa!
------------------------------------------
Por tudo que vivemos até agora e que espero viver, peço aos cidadões que ainda tem um pouco de juízo e compaixão que passe isso adiante e que acalme seus adversários, que não promova atritos desnecessários entre familiares ou amigos e que saiba ouvir essa voz da razão mas sem deixar de lado a voz do coração. Que, ao anoitecer, você possa deitar no travesseiro com a consciência tranquila e sonhar com um mundo de paz.
----------------------------------------------------------------------------
Nada te faltará - Ana Carolina
--------------------------------------------
Pra onde vamos
As vãs, carros e bicicletas
Certezas, avessas, comércio de guerra
Legado de merda
Mais de um bilhão de chineses
Marchando sem deuses
E outros descalços fazendo sapatos
Pra nobres e ratos
Sobe do solo a nuvem de óleo
Com cheiro de enxofre queimado
Fodendo com os ares
E outras barbáries
Quero mudança total
Uma idéia genial
A ciência e o amor a favor do futuro
Quero claro no escuro

Peço paz aos filhos de Abraão
Quero Ghandi na melhor versão
E nada vai me faltar
E nada te faltará

Pra onde seguem os barcos
Os homens suas trilhas
Seus filhos e filhas no pau da miséria
Um pico na artéria
As mulheres pedintes perdidas
Que já quase loucas
Dividem o frio das noites com as dregs
As mães descarregues
Meninas sangrando na boca
E no meio das pernas
No meio da noite tomando cacete
Sem dente e sem leite
Quero respeitos humanos
Direitos fazendo pensar
Os pilares de uma nova era
Que não seja quimera

1 comentários:

du_Santus disse...

o homem é miserável pela sua própria natureza, até pelo fato de que não vivem, apenas sobrevivem. no decorrer de sua (sobre)vida, aprendem a fazer oq é necessário para se manter vivo, e então, se acostuma com as atitudes que nos parecem impossível e malignas, encarando-as como "normal"...

bjss